segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Cântico do irmão Sol (ou Cântico das Criaturas)

Quase cego, sozinho numa cabana de palha, em estado febril e atormentado pelos ratos, São Francisco deixou para a humanidade este canto de amor ao Pai de toda a Criação.
A penúltima estrofe, que exalta o perdão e a paz, foi composta em Julho de 1226 no palácio episcopal de Assis, para pôr fim a uma desavença entre o Bispo e o Prefeito da cidade. Estes poucos versos bastaram para impedir a guerra civil.
A última estrofe, que acolhe a morte, foi composta no começo de Outubro de 1226).

Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE MicrosoftInternetExplorer4

Altíssimo, onipotente e bom Deus,
Teus são o louvor, a glória, a honra
e toda benção.

Só a Ti, Altíssimo, são devidos,
e homem algum é digno
de Te mencionar.

Louvado sejas, meu Senhor,
com todas as Tuas criaturas.
Especialmente o irmão Sol,
que clareia o dia
e com sua luz nos ilumina.

Ele é belo e radiante,
com grande esplendor
de Ti, Altíssimo é a imagem.

Louvado sejas meu senhor,
pela irmã Lua e as Estrelas,
que no céu formastes claras,
preciosas e belas.

Louvado sejas meu Senhor,
pelo irmão Vento,
pelo ar ou neblina,
ou sereno e de todo tempo
pelo qual as Tuas criaturas dais sustento.

Louvado sejas meu Senhor,
pela irmã Água,
que é muito útil e humilde
e preciosa e casta.

Louvado sejas meu Senhor,
pelo irmão Fogo,
pelo qual iluminas a noite,
e ele é belo e jucundo
e vigoroso e forte.

Louvado sejas meu Senhor,
pela nossa irmã a mãe Terra,
que nos sustenta e nos governa,
e produz frutos diversos,
e coloridas flores e ervas.

Louvado sejas meu Senhor,
pelos que perdoam por teu amor
e suportam enfermidades e tribulações.

Bem aventurados os que sustentam a paz,
que por Ti, Altíssimo serão coroados.

Louvado sejas meu Senhor,
pela nossa irmã a morte corporal,
da qual homem algum pode escapar.

Ai dos que morrerem em pecado mortal!
Felizes os que ela achar
conforme à Tua Santíssima vontade,
porque a segunda morte não lhes fará mal.

Louvai e bendizei a meu Senhor,
e daí lhes graças
e servi-O com grande humildade.

Amém.

Posted via email from ayuszen

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Silêncio! O Mundo se oferecerá espontaneamente para ser descoberto.

Quanto mais você acessa sua verdadeira natureza, mais a natureza o conecta ao todo, a verdadeira WWW (world wide web). Assim falou Fanz Kafka (filósofo austríaco): "Você não precisa sair de seu quarto. Fique sentado diante da mesa e ouça. Não precisa nem ouvir, simplesmente espere. Não precisa nem esperar, aprenda somente a ficar quieto, silencioso, solitário. O Mundo se oferecerá espontaneamente para ser descoberto. Ele não tem outra escola senão jogar-se em êxtase a seus pés".

Posted via email from ayuszen

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Estado da unidade

O estado de Unidade ou Iluminação é ser um (a) com a experiência de tudo o que existe. É ser o próprio vento, a água, é ser o espaço, a luz, a seiva correndo dentro da árvore, a formiga, o beija-flor, a cor do som, a gota de orvalho, o êxtase... enfim, é Ser tudo o que É. No estado de Unidade, nada mais está separado.

  Tudo É.

  Só a experiência existe e a consciência da experiência.

Segundo Sri Bhagavan, “o estado de Unidade ocorre em vários níveis e pode se manifestar de forma diferente para cada pessoa”. Ainda nas palavras de Sri Bhagavan “a única solução para todos os problemas humanos e para o sofrimento é o estado de Unidade. Unidade interior, com o mundo ao redor e com Deus. O estado de Unidade começa dentro de você”.

O que é Iluminação?

Iluminação é não-mente. É viver sem a interferência da mente, no aqui-agora, em estado de amor e plenitude.

De acordo com Sri Bhagavan, mesmo as pessoas ricas podem estar estressadas, tensas, preocupadas com vários problemas ou com outras pessoas. Parecem cada vez mais distantes os momentos de realização e felicidade, enquanto cresce a sensação de que se está apenas sobrevivendo. Qual a causa disso tudo, especialmente para o homem moderno? O problema, diz Sri Bhagavan, consiste na natureza da mente que não consegue experienciar nada com atenção, profundidade, aceitação e amor (funções dos lóbulos frontais).

Por exemplo, não se consegue desfrutar o sabor de uma refeição deliciosa porque a mente fica comparando “com uma outra refeição”, ocorrida na semana passada ou “com aquele outro prato feito por aquela pessoa maravilhosa”, em tal lugar. Com isso, não se consegue experienciar a refeição do almoço que está à sua frente, porque a mente está fora, longe e então você deixa de viver o que está sendo oferecido. Este é o estado de inconsciência. Você está fisicamente, mas ao mesmo tempo não está em lugar nenhum. Esse mesmo não experienciar as situações vai se reproduzindo em quase todos os momentos da sua vida.

Outro problema, segundo Sri Bhagavan é que “a mente oscila entre o passado e o futuro e com isso foge do aqui e agora, onde tudo está acontecendo. Vem a culpa ou a raiva e a mente vai para uma situação do passado. Então vem o medo e a ansiedade e a mente vai para o futuro. A mente oscila também entre o prazer e o sofrimento, causados por fatores externos a você. Por exemplo, prazer por comprar um carro novo e sofrimento porque existe um outro carro ainda melhor no mercado. Alegria por casar-se e sofrimento porque o casamento deveria ser diferente do que é.

De acordo com Sri Bhagavan, é da natureza da mente dividir tudo entre o certo e o errado, o bom e o mau, o perfeito e o imperfeito, como deveria e como não deveria ser tal pessoa ou tal coisa. Portanto, é da natureza da mente ser conflitiva. Só que o conflito suga a sua energia e, além disso, gera sofrimento, doença, intranqüilidade. Por outro lado, e isso é importante compreender, quando o conflito ou os conflitos cessam, a sua energia se tranqüiliza. E é nesse estado e só nesse estado que você começa a sentir paz, alegria, amor e gratidão pelo aqui e agora. Esse é o caminho para se compreender e atingir a iluminação.

Até agora, a Iluminação só era possível aos grandes sábios e geralmente aos homens. O novo que está acontecendo atualmente é que milhares de pessoas, homens e mulheres de todas as idades, credos e raças, estão começando a experienciar esse estado de consciência e a permanecer nele plenamente. Eles estão felizes sem nenhuma razão aparente, experimentam a paz que não pode ser perturbada por nenhuma circunstância externa. Eles vivem em Deus e com Deus. Pessoas que passaram pela iniciação com Sri Amma e Sri Bhagavan, na Universidade da Unidade ou que foram tocadas por eles através da deeksha, estão realmente acelerando as etapas de reconhecimento, vivência e permanência nesse estado de consciência, no aqui e agora. “A Iluminação é um fenômeno biológico e não filosófico ou psicológico como acreditam muitas pessoas”, declarou Sri Bhagavan.

Posted via email from ayuszen

O que é a iluminação : : Sri Bhagavan

O que é importante?

QUE É IMPORTANTE?

A crucificação foi o preço de alguém ter afirmado,

há um pouco mais de dois mil anos,

que ele e Deus eram uma só pessoa.

À primeira vista,

nos parece que não avançamos muito desde então,

mas isso é injusto de afirmar.

Nós começamos a arranhar a compreensão

de ser não apenas possível como também disponível

a todos essa consciência,

de que somos um com Deus Pai-Mãe-Filho.

Chamemos a Deus de natureza, de planeta, de ciência,

expliquemos pela fé ou pela energia quântica,

cada indivíduo humano que use sua inteligência e imaginação

para compreender a Vida da qual é feito,

mas que faça algo nesse sentido, só isso importa.

Isso é importante para que se agregue impulso

a essa consciência e que pela magia da mesma

nossa civilização tome o rumo da verdade.

.

Se as pessoas falassem a verdade, então as discussões serviriam para avançar e todo mundo se entenderia. Porém, raramente as verdadeiras razões da discussão são postas sobre a mesa e conversadas sinceramente.

.Concentre a irritação numa linha de atuação produtiva, isto é, em vez de você sair por aí discutindo e falando palavras duras, focalize essa energia através das mãos, fazendo hoje mais do que faria em outros dias.

.A ajuda que o céu oferece sempre vem em formato surpreendente, tanto que em muitos casos é difícil reconhecer que é ajuda. Certos problemas e conflitos são, na verdade, a melhor forma de ajudar a retornar ao caminho.

.Nada aconteceu de acordo com seus planos, mas certamente você não terá motivos de queixas, porque vários benefícios foram colhidos. Que isso sirva para, no futuro, você não se desgastar pretendendo tanto controle.

.Será melhor cortar logo o que amarra você a um passado que não serve mais e que a esta altura já começou a drenar a energia necessária para você entrar na dimensão do futuro. O tempo de ruptura está instalado.

.Alguns interesses imediatos precisarão ser sacrificados em nome de planos maiores, os quais talvez beneficiem mais outras pessoas do que você. Porém, essa condição será passageira, logo você também receberá benefícios.

.No meio dos tumultos haverá algo de interessante para você. Por isso, concentre sua mente no objetivo pretendido para não perder-se no meio de discussões estéreis e fúteis. Assim você encontrará o que interessa.

.Quando a alma espera muito de uma situação, cada contratempo se torna bombástico, sem sê-lo em si mesmo. É que muita emoção acompanha cada movimento e, por isso, as atitudes se tornam um tanto desengonçadas.

.Colabore para que os planos de outras pessoas tenham sucesso. Faça isso a despeito de ter de sacrificar temporariamente alguns desejos particulares. Ajudar e facilitar criam benefícios que retornam multiplicados.

.A necessidade é a verdadeira mãe do destino. Por isso, não seria sábio você satisfazer todos seus desejos e nunca mais sentir necessidade alguma, porque isso conduziria à paralisia existencial. Necessitar é importante.

.Razões poderosas conduzem seus passos e guiam as atitudes que, a esta altura, não há mais como modificar. Isso gerará certos conflitos e discussões que, bem administrados, colocarão as pessoas em seu devido lugar.

.Quanto mais o progresso acontece, mais as pessoas que supostamente deviam apoiar você se queixam e criam contratempos desnecessários. É inveja? Talvez! Porém, o mais provável é que isso seja incompreensão.

Fonte: Quiroga

Posted via email from ayuszen

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Ondas cerebrais, descubra onde você anda " surfando"

Sabemos que uma forma de energia tem um importante papel no nosso corpo: A "Bioeletricidade". Através dela o cérebro se comunica com o corpo e seus órgãos, emitindo sinais que são enviados para nossas fibras nervosas que acionam todos os processos biológicos, sem excessão. A Bioeletricidade está sendo estuda com muito interesse por neurofisiologistas e por físicos, pois pesquisas demonstram que a capacidade bioelétrica do corpo pode ser "ilimitada".

As ondas cerebrais estão relacionadas a diversos estados de consciência. O mais interessante é que a falta dessas ondas, mais do que a sensação da pulsação cardíaca, indica morte clínica.

Podem ser colocadas em grupos de acordo com uma faixa de frequência que está diretamente relacionada com o estado de espírito da pessoa. São elas...

Gamma (30 + Hz). Excitação, estado emocional elevado.

Beta (13Hz-30Hz). É o estado de consciência normal, acordado. Quando você está trabalhando, dirigindo, falando, etc... você está em Beta. Uma alta atividade de frequência Beta às vezes está associada com ansiedade, pânico e estresse.

Alfa (8Hz-12.9 Hz). É o estado de relaxamento leve (mente calma e focada). O estado alfa é chamado de estado de super aprendizado, porque o cérebro parece estar mais receptivo e aberto as novas informações. As pessoas que meditam, fazem isso no estado Alfa.

Theta (4Hz-7.9 Hz). É o estado de relaxamento profundo. Sonhos e meditações profundas estão frequentemente associados com o estado Theta.

Delta (0,5Hz-3.9 Hz). O estado mais lento das ondas cerebrais. Pesquisas revelam que manter a consciência em estado Delta pode abrir o caminho para o subconsciente.

Ondas cerebrais saudáveis geram estados de consciência adequados, com fluxo de informação sem bloqueios entre a mente consciente (ou pensante) e o estado de relaxamento profundo, que também pode ser visto como um estado meditativo, de paz, silêncio e reflexão.

Nossa mente é supostamente livre, lúcida e criativa, mas estamos viciosamente interferindo na sua saúde com pensamentos egoístas, excesso de informação e especialmente o medo. Ato contínuo, usamos a energia mental na superfície; raramente ela está disponível para criar de forma livre, profunda e original.

-Conhecimento milenar de nossos ancestrais

Michael Winkelman, um neurocientista no estado do Arizona descobriu que os Shamãns usavam "técnicas" rítmicas para desprogramar alguns padrões de pensamentos, reconectando o tronco cerebral com o neocórtex cerebral. Estudos, inclusive, indicam que esta área do cérebro está associada com o estado subconsciente.
Parece que as vibrações das ondas cerebrais podem ser melhor balanceadas quando usamos todo nosso corpo com ritmo, quando nos movemos com graça e consciência. Nossos ancestrais sabiam dessa verdade quando enfatizavam a dança como um rito sagrado, onde o movimento representava a vida...pois vida é movimento harmônico e criador.

-Saúde Integral

As Práticas de Vida Integral(PVI) viabilizam o equilíbrio entre o consciente e o "interno" através do treinamento das ondas cerebrais em combinação com uma série de exercícios para os corpos físico, vital e psíquico(emocional-mental). Uma vez praticados com ritmo e disciplina esses exercícios produzem nítidas melhoras no aparelho cardiovascular, no sistema nervoso e na memória, sem falar nos ganhos psíquicos(bom humor e enraizamento, abertura e vida afetiva saudável).

Em síntese, o trabalho com as ondas cerebrais irá afetar de forma sinérgica a saúde como um todo para um estado mais amplo de bem estar. Dentre os inúmeros benefícios, destacamos:

1-Mensagens de bem estar;


2-Agradecimento pelo funcionamento das nossas células;


3-Corpo saudável sem esforços contrários ao seu ritmo;


4-Alegria para nossos órgãos;


5-Ações que geram a liberação de endorfinas;


6-Aumento do poder criativo;


7-Menor impacto do ambiente sobre nossa saúde psíquica;

Posted via email from ayuszen

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Desconecte-se

Num mundo tão corrido, precisamos desacelerar todos os dias, para não fundirmos o “motor”.

Isto é possível com a prática do silêncio, reservando um tempo para apensas ficarmos sozinhos.

Outra possibilidade é adentrarmos em nosso interior, e buscar “ondas” cerebrais tranqüilas através da meditação, que é explorarmos a paz interior ou ficarmos dentro do nada.

Uma outra ação, é nos conectarmos à natureza, indo de encontro às matas, riachos, andar com os pés descalços, contemplar a natureza, ouvirmos as ondas nas praias.

A oração mistura o silêncio, e a meditação, também auxiliando a encontrarmos o nosso endereço IP e “gateway” da serenidade/paz, que nos leva ao encontro da nossa divindade interior, que nos conecta à natureza universal.

Como suporte a todas estas técnicas, retirei um trecho do Blog do Pierre Schürmann, que ensina a “visualizar” a respiração:

a)     Sente numa cadeira com a coluna reta e as palmas dos pés no chão. Coloque uma mão no seu peito e outra na barriga para que possa acompanhar o movimento do ar.

b)     Exale pela boca e esvazie seu pulmão totalmente.

c)      Inspire pelo nariz. Comece pela parte de baixo do pulmão e sinta a barriga encher e o ar subir até seu peito. Idealmente conte até três ou cinco, dependendo de seu fôlego.

d)     Exale pela boca, contando até três ou cinco. 

Se puder, faça isso no mínimo dez vezes.  E se conseguir fechar os olhos, ajuda. Essa técnica é simples, mas funciona. Acredite, já fiz isso até a caminho de reuniões com bons resultados. Sei que a adrenalina do dia a dia é o que move muitos de nós. Mas tenho certeza de que você vai descobrir que, à medida que “se desconecta” do mundo e se conecta a sim mesmo, conseguirá ser uma pessoa muito mais produtiva, plena e feliz!

Tudo isso trará momentos de serenidade e tranqüilidade, ativando e multiplicando a energia para enfrentarmos o dia a dia, com muito mais paz e acertos globais em nossos pensamentos, e consequentemente, em nossas atitudes e decisões.

Posted via email from ayuszen

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Morro do Finder, minha "missa" dominical : : 13/12

Que Deus abençoe teus justos desejos, e que você deseje o mesmo àqueles que te rodeiam!

Dedique 1 hora de cada semana para auxiliar a quem realmente está precisando de ajuda, diminua os problemas, e viva em paz. Foi isto que Jesus, Buda e outros fizeram, e nós não entendemos seus ensinamentos na essência, foram até os que precisavam, levando mensagens de amor, paz, fé e compaixão.

http://ayuszen.blogspot.com

Posted via email from ayuszen

Journey

Happiness is the journey, Do yours, discovery your real life and feel spiritual success

Posted via email from ayuszen

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Campeões não são feitos na....

   PENSAMENTO

Campeões não são feitos em academias. Campeões são feitos de algo que eles têm

profundamente dentro de si - um desejo, um sonho, uma visão.
[ Muhammad Ali ]

Posted via email from ayuszen

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Então, porque o mundo está assim???

A matéria - postada abaixo - possui bastante conhecimento e ciência, mas por ser metódico e lógico, o cientista não explana sobre o todo do problema, ou do que podemos causar mais à frente.

Hoje temos bilhões de pessoas muita abaixo da linha mínima de consumo (imagine quando os colocarmos no consumismo mínimo), temos crescimento e educação desordenados, o que muito em breve, podem causar problemas de todos os tipos.

O principal problema que vejo hoje, é com relação à água e o desmatamento. Os desertos de cimento como em São Paulo e outras grandes cidades, e as queimadas e cortes de árvores para o “desenvolvimento” e para os ladrões chegarem.

A água sempre seguiu um curso natural, de vir, ir para o mar e com o calor, se transformar em chuva e adentrar pelo solo para os lençóis freáticos. Hoje nossos desertos de cimento não permitem mais esse trabalho. Cientificamente, não investiguei, mas isso hoje já causa inúmeras tragédias.

Desmatamentos transformam os rios, assoreamento no solo, o que multiplica muitas vezes a bela força da natureza. Cidades todas cimentadas e asfaltadas impedem o curso natural da vida e da natureza.

Cidades sem árvore são muito mais quentes. Quando estive em Ribeirão Preto/SP presenciei grandes áreas com plantação de cana, na cidade muitas casas não possuíam áreas verdes em seus terrenos, e o local era muito, mas muito quente e seco.

As grandes metrópoles, com seus grandes desertos de cimento, sem árvores, favorecerão o acontecimento de inúmeras tragédias, aquecimento na região e aumento de temporais, enchentes e outros.

Acredito que a educação verde tem que persistir, virar matéria nas escolas como Conscientização Ambiental – e isso incluí aprender a viver e respeitar seus semelhantes, para que não vivamos o caos e para que possamos conviver com a natureza, sem aumentar/multiplicar a incrível energia que ela usa para se renovar e se transformar.

Penso, que junto com a enorme quantidade de dejetos, toda a química que criamos e jogamos nos rios e mares, os impedimentos que causamos ao fluxo da natureza, o retiro da função das árvores, mexemos em rios, construímos até dentro dos mares, tudo isso junto e somado, faz com que a mãe natureza procure uma forma de se manter viva e de ensinar seus mal-educados filhos.

J.Z.W

///////////////////////////////////////////

Que Deus abençoe teus justos desejos, e que você deseje o mesmo àqueles que te rodeiam!

Dedique 1 hora de cada semana para auxiliar a quem realmente está precisando de ajuda, diminua os problemas, e viva em paz. Foi isto que Jesus, Buda e outros fizeram, e nós não entendemos seus ensinamentos na essência, foram até os que precisavam, levando mensagens de amor, paz, fé e compaixão.

http://ayuszen.blogspot.com

Posted via email from ayuszen

Reduzir CO2 não impede aquecimento

Para o professor Luiz Carlos Molion, representante da América Latina na Organização Meteorológica Mundial e pós-doutor em meteorologia, as reduções de emissões de carbono propostas pela 15ª Conferência das Partes sobre o Clima (COP-15), não vão produzir efeito no clima mundial, "o gás carbônico não controla o clima global", garante.

- A quantidade de carbono lançada pelo homem é ínfima, é irrisória, se comparada com os fluxos naturais dos oceanos, solo e vegetação. Para a atmosfera, saem 200 bilhões de toneladas de carbono por ano. O homem só lança seis.

"De todas as pessoas que estão aqui no Brasil, talvez eu seja o climatologista mais sênior". Molion estuda o clima desde 1970 e conta que, quando concluiu seu doutorado, há 35 anos, nos Estados Unidos, o "consenso" da época era que o mundo estava em uma Era Glacial. Hoje, ele também leciona na Universidade Federal de Alagoas.

Na sua avaliação Copenhague "é um discurso que não vai adiante", pois, à medida em que a população aumenta, há a necessidade de gerar mais energia elétrica.

- Como incluir essas pessoas sem aumentar o consumo? Não existe como. Somos ainda muito dependentes dos combustíveis fósseis. Acho que vai ter muito discurso em Copenhague, vão fazer muitas promessas, mas são só demagógicas. Não tem como cumprir essas metas. Se você olhar o protocolo de Kyoto, a Europa não reduziu absolutamente nada, ao contrário. Conversa é conversa, na prática não há como fazer isso.

O pós-doutor em meteorologia e membro do Instituto de Estudos Avançados de Berlim garante, baseado em estudos de paleoclimatologia (estudo das variações climáticas), que as mudanças do clima são muito complexas para serem influenciáveis pelo ser humano.

Leia os principais trechos da entrevista:

Qual a opinião do senhor sobre as movimentações em torno da Conferência do Clima?
Essas reduções de emissões de carbono não vão produzir efeito nenhum no clima. O gás carbônico não controla o clima global. Isto já foi demonstrado com pesquisas feitas no que nós chamamos de paleoclimatologia, em que se tenta reconstruir o clima passado, com base nos cilindros de gelo da estação de Vostok, na Antártica. O cilindro de gelo retirado de lá, que reconstitui os últimos 4.020 anos, mostra claramente que já houve períodos em que tivemos temperaturas altas e baixa presença de CO2 na atmosfera.
Ocorreu forte aquecimento entre 1925 e 1946, e nessa época, o homem lançava na atmosfera menos de 10% do carbono do que lança hoje. Então, aquele aquecimento, que é ainda maior do que esse atual, na realidade foi explicado por fenômenos naturais. O sol esteve mais 'ativo' nessa primeira metade do século XX. Além disso, foi um período que praticamente não ocorreram erupções vulcânicas. Assim, a atmosfera ficou mais limpa e entrou mais radiação solar, causando o aquecimento.
Todos os recordes de temperatura nos Estados Unidos, que têm uma série de dados bastante longa, ainda são daquela década de 1930.

Como essas temperaturas são medidas?
Termômetros na superfície. O problema é que eles estão sujeitos aos fenômenos de ilha de calor, muito comuns nas cidades. E a maior parte desses termômetros está em cidades que sofrem esses efeitos da urbanização.

Como seria mais seguro medir as temperaturas mundiais?
Tem um sistema a bordo de satélites que leva a sigla MSU, um sensor de microondas que existe desde 1968. Ele indica que, nesses 30 anos passados, não há um aumento significativo de temperatura. Houve um aquecimento entre 77 e 99, que coincide como aquecimento do Oceano Pacífico Tropical. Os oceanos são grandes controladores do clima, em particular o Pacífico, porque ele sozinho ocupa 35% da superfície terrestre. Então, quando ele se aquece, o clima também fica mais quente: A atmosfera, o ar, é aquecido por baixo, as temperaturas mais elevadas estão próximas da superfície.
Desde 1999, o Oceano Pacífico esfria. Hoje, não só monitoramos os oceanos, mas existem mais de 3.200 boias à deriva e mergulhadoras. Elas mergulham até 2.000 metros de profundidade, se deslocam com a corrente marinha e nove dias depois elas sobem, e passam os dados para o satélite. Esse sistema mostra que os oceanos, de maneira geral, estão esfriando nos últimos seis, sete anos. E, nos últimos 10 anos, a concentração de CO2 continua subindo.

Mas há uma sensação de que existem muitas mudanças climáticas ocorrendo no mundo...
Não. O que acontece é que hoje, a população está mais vulnerável aos fenômenos meteorológicos. Na realidade, os fenômenos intensos sempre ocorreram no passado. Por exemplo, a maior seca do nordeste foi em 1877 até 1879. O furacão americano mais mortífero foi no Texas em 1900. Então, temos esses eventos intensos que ocorreram numa época em que o homem não lançava a quantidade que lança hoje. Aliás, a quantidade de carbono lançada pelo homem é ínfima, é irrisória, se comparada com os fluxos naturais dos oceanos, solo e vegetação. Para atmosfera, saem 200 bilhões de toneladas de carbono por ano. O homem só lança seis.
Qual a incerteza que nós temos nesses ciclos naturais? É de 40 bilhões de toneladas para cima e para baixo. Ou seja, existe uma incerteza de 80 bilhões que é oito vezes maior que o que o homem lança na atmosfera. Não tem como se controlar o carbono. E se controlar, se reduzir as emissões, não haverá impacto nenhum no clima. O clima hoje deixou de ser um problema científico, ele é um problema político-econômico.

Como assim?
Hoje a matriz energética mundial, com exceção do Brasil, que é um país privilegiado, está baseada nos combustíveis fósseis (petróleo e carvão mineral, principalmente). Quando se diz, 'vamos reduzir as emissões', o que se quer dizer é: 'Vamos reduzir a geração de energia elétrica'. Os países não crescem. Tudo está baseado na energia elétrica. Isso vai afetar um desenvolvimento social e econômico dos países.

Mas, de acordo com esse raciocínio, os EUA seriam os maiores interessados em um acordo climático e, no momento, eles parecem ser o maior empecilho...
Os Estados Unidos adorariam que a China reduzisse as suas emissões. Os EUA estão "pendurados", a China tem cerca de 700 bilhões de dólares em papéis do tesouro americano. A ida de Obama à China, no mês passado, visou a redução de emissões da potência oriental.

Mas a redução seria mundial, a China não seria a única a reduzir, os EUA também reduziriam...
Uma coisa é você já estar com a sua população em condições humanas adequadas, como é o caso da Europa, dos EUA, do Canadá. Outros países, como é o caso do Brasil, e todos os países latinos e africanos, ainda não têm. Então, precisaria desenvolver, não consumindo como se consome nos EUA, mas com condições adequadas para viver, saúde, educação... Para os países subdesenvolvidos e emergentes, excetuando-se o Brasil, reduzir significa gerar menos energia elétrica. Em muitos países só tem carvão mineral e petróleo para gerar energia. Eu não quero dizer com isso, que nós devemos sair por aí depredando o meio ambiente, tem que haver mudanças de hábito de consumos, mas as emissões de carbono não são o caminho correto.

O senhor levanta questões sobre o clima que parecem, nos jornais e nas reuniões políticas, serem consensos. Quem fabricou esse consenso?
Não existem consensos na ciência, ciência não é política, é experimentação. A ciência progride pelos contras que vão surgindo. Se você tem uma teoria e mostra que ela vale, e se surge um único experimento que diz o contrário, então você tem que repensar toda a teoria. Consensos são políticos, cientificamente eles não existem, cientificamente existem experimentações.

Então porque a impressão do consenso?
Existe uma trama por detrás disso tudo. Países como os do G7. Eles já não dispõem de recursos naturais, recursos energéticos. Por outro lado, eles não querem perder a hegemonia.

Os pesquisadores que vão de encontro a esse "consenso" sofrem algum tipo de represália?
Sim, mas isso é normal. A gente é perseguido, taxado como um indivíduo desatualizado e tem mais dificuldade de conseguir verba para pesquisa. Mas, de todas as pessoas que estão aqui no Brasil, talvez eu seja o climatologista mais sênior. Estudo clima há setenta anos e conclui meu doutorado há 35 anos, nos Estados Unidos. No período que eu fazia meu doutorado, o clima estava tão frio que o "consenso" da época era que nós estávamos entrando numa Era Glacial. O clima é muito complexo e jamais poderia ser dominado pelo CO2. Ao contrário, o CO2 é resultante do aumento da temperatura, quando a temperatura aumenta os oceanos liberam mais CO2.

Mas a vantagem dessa discussão toda em torno das mudanças climáticas é colocar o meio-ambiente em pauta.
É, mas não da maneira correta. Quando você olha para os livros didáticos das crianças, diz lá que o homem está destruindo a camada de ozônio, que a Terra está se aquecendo, que o nível do mar vai subir... Isso está errado! O que nós estamos fazendo? Educação ou lavagem cerebral? Na minha opinião, olhando todos os indicadores climáticos, nós vamos ter um resfriamento climático nos próximos vinte anos. O que vai acontecer com essa criançada quando eles perceberem que, ao invés de aquecer, está esfriando, e que esse esfriamento é muito pior para a humanidade?

Os países parecem dispostos a fazer acordos de redução em Copenhague...
É um discurso que não vai adiante. À medida em que a população aumenta, há a necessidade de mais energia elétrica, se a gente quiser incluir esse pessoal em uma sociedade que viva adequadamente. Como incluir essas pessoas sem aumentar o consumo? Não existe como. Somos ainda muito dependentes dos combustíveis fósseis. Acho que vai ter muito discurso em Copenhague, vão fazer muitas promessas, mas são só demagógicas. Não tem como cumprir essas metas. Se você olhar o protocolo de Kyoto, a Europa não reduziu absolutamente nada, ao contrário. Conversa é conversa, na prática, não há como fazer isso.

Terra Magazine

Carolina Oms
Especial para Terra Magazine

http://ayuszen.blogspot.com

Posted via email from ayuszen